Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Comentários

Textos/comentários a publicações de autores de outros blogs.

Textos/comentários a publicações de autores de outros blogs.

Comentários

29
Mai21

Comentários 35

Zé Onofre

  14

2021/02/24

Dias de chuva,

Que me levam a barcos de papel.

Nestes  veleiros

Dobro Bojadores

E Tormentas.

Agora, enrolado nos cobertores,

Ouço o batuque da chuva

Nas telhas e na janela.

Desejo com toda a força

Que se prolongue

Para uma manhã de quentinho,

Longe do colégio e dos professores.

Mais tarde,

Caminho monte acima,

Golas de sobretudo até às orelhas,

Para me sentar lá no alto

A remoer dores antigas,

A criar utopias futuras.

As dores lava-as a chuva,

As utopias, conto-as ao vento.

  Zé Onofre

28
Mai21

Comentários 34

Zé Onofre
             34
 

Caminhei muito

Entre pinheiros, carvalhos e eucaliptos,

Dos montes da minha afeição.

O vento

Soprava segredos às folhas,

E eu, ciumento,

Subia ao penedo mais alto,

Lá no cume do monte.

Abria os ouvidos aos segredos do vento

E apenas ouvia o vento.

Desconsolado,

Descia até casa.

À noite, nas escadas cinzentas, decifrava

Os sons do vento.

Descobri que as palavras feridas,

Que o vento larga por toda a parte,

São versos desassossegados

De poetas

À procura da palavra certa,

Para acalmar a dor que o atormenta.

        Zé Onofre

24
Mai21

Comentário 33

Zé Onofre

                             33

2021/02/24                    

Quando as palavras

Se me negam a voar no vento,

Até aos ouvidos do meu querer,

Fico especado.

O lápis suspenso dos dedos,

Enquanto me decido

Entre escrever, 

Ou não escrever,

Toma a iniciativa,

Rabisca a folha branca

Com palavras-lágrimas

                 Zé Onofre

22
Mai21

Comentário 32

Zé Onofre

                               32

Cor-de-laranja.

Vejo-me lá atrás,

Numa tardinha qualquer,

No colégio da Formiga.

Sentado, à mesa de estudo,

Esquecia os livros,

E fixava-me nas vidraças.

O sol-poente alaranjava o céu

Enquanto se recolhia para outros mundos.

Nessa hora laranja,

Quando o sol caía apara lá do casario,

Uma melancolia inexplicável

Invadia-me

Alagando-me os olhos.

               Zé Onofre

14
Mai21

Comentário 31

Zé Onofre

              31

Cor-de-laranja.

Vejo-me lá atrás,

Numa tardinha qualquer,

No colégio da Formiga.

Sentado, à mesa de estudo,

Esquecia os livros,

E fixava-me nas vidraças.

O sol-poente alaranjava o céu

Enquanto se recolhia para outros mundos.

Nessa hora laranja,

Quando o sol caía apara lá do casario,

Uma melancolia inexplicável

Invadia-me

Alagando-me os olhos.

            Zé Onofre

13
Mai21

Comentário 30

Zé Onofre

                                   30

 

Ah, o que vivi ao ver esta fotografia.

Voltei aos tempos de meninice,

Sentado na cama da minha mãe,

Em tardes ociosas,

A ver o seu passado em fotografias,

Todos os Domingos vistas,

Que se escondiam para além das figuras

Desbotadas,

Que iam de mão em mão

E eram contadas e recontadas

De acordo com o humor do momento.

E eu, pequenito sentado a seu lado,

Punha, aqueles meus antepassados,

Em movimento.

Daí a meu gosto por fotografias.

Olhando esta fotografia,

Que connosco partilhou

Para além da pele desnuda,

Vou criando histórias

Sobre o que a pessoa retratada

Pensava no momento das Tatuagens

Que fazia na sua pele-tela.

           Zé Onofre

11
Mai21

Comentário 29

Zé Onofre

                      29

Ai os gatos!

Meus companheiros de meninice,

A quem contava historinhas.

E eles mostravam o seu agrado,

Rebolando-se e ronronando.

Jogava ao novelo com eles.

Eles, estátuas quase,

Olhos piscos, adormecidos,

Muravam aquele ratinho.

Como quem não quer a coisa,

Avançavam de pantufas 

E no momento exacto,

Unhas em riste lançavam-se 

E aterravam

Onde o ratinho já não estavam.

E o jogo reiniciava-se

Já cansados íamos para a cama,

E aqui que ninguém nos lê,

Dormíamos todos enroladinhos

Feitos numa bola só.

          Zé Onofre

11
Mai21

Comentário 28

Zé Onofre

                      28

Estar em lugar nenhum,

Meu desejo de estar em toda a parte.

Sentado no precipício olho o abismo.

Abro as minhas palavras/asas,

Subo ao azul, ou ao cinzento,

E vejo o verde cortado de cores arco-íris.

Ora repouso numa mancha de algodão,

Ou num raio de estrela ou de luar.

As cadeias, que me atam,

Desfazem-se em elos de pó.

A imaginação,

O sonhar acordado

(os melhores sonhos que posso sonhar)

Levam-me para lá do horizonte,

Para lá de todas as folhas brancas,

Muito mais além

Que qualquer palavra alguma vez escrita

         Zé Onofre

08
Mai21

Comentário 27

Zé Onofre

                        27

2021/02/22

Às vezes o vento segreda-me,

É castigo da Mãe Natureza.

Será?

Não será?

Entre o ser e o não ser

Vivemos fechados,

Na nossa casa cela,

Rompemos a cerca fugidiamente,

Apanhamos o essencial

Para sobrevivermos na nossa casa prisão.

Enquanto medimos a casa passo a passo,

Vestidos a rigor, ou modo não importa,

Fantasiamos um mundo novo

À revelia da Mentalidade reinante.

Pobres pretendentes a Lutero

Das mentalidades que recusam reformar-se.

Sequer seremos queimados numa pira,

Mas talvez numa esquina nos espere

A fogueira duma bala assassina.

              Zé Onofre

06
Mai21

Comentário 26

Zé Onofre

                    26

2021/02/21

Cinco dias,

Para se encontrar com o seu outro?

Mas tanto tempo,

Cinco dias é o infinito.

Para quê esperar.

Façamos acontecer.

Nascemos e morremos todos os dias.

           Zé Onofre

Renascemos em todos os instantes.

Pág. 1/2

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2022
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2021
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
Em destaque no SAPO Blogs
pub