Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Comentários

Textos/comentários a publicações de autores de outros blogs.

Textos/comentários a publicações de autores de outros blogs.

Comentários

30
Mar22

Comentário 230

Zé Onofre

                  230

 

022/02/15, sobre a publicação O tempo que passou...,Ana Sofia, na mesma data

 

Lancei as mágoas,

As tristezas,

O desânimo

Em águas que os meus olhos,

Impotentes,

Não conseguem suster.

 

Essas águas incontidas

Foram outras fontes

De muitos regatos,

Que de ribeiro em rio,

De rio em rio,

Mais foram salgar o mar.

 

Os regatos nasceram,

Os ribeiros transbordaram,

Os rios engrossaram,

O mar ficou mais salgado,

Contudo sinto que uma nova enchente

Se prepara dentro de mim.

   Zé Onofre

29
Mar22

Comentário 229

Zé Onofre

                   229  

 

022/02//08, sobre a publicação rimar pobre, Maria Soares

  

Passo a vida distraído.

 

Passo a vida a olhar o infinito,

A ver impossíveis no horizonte,

À procura de sonhos onde não podem medrar,

A tentar o possível em terrenos improváveis.

 

Passo a vida distraído.

 

Pouso os olhos no chão.

Fecho os ouvidos aos silêncios

Que gritam do mundo em volta.

Calco as pedras do caminho perdido.

 

 Passo a vida distraído.

 

Vou para longe dentro de mim.

Passo sem andar.

Lanço os olhos ao infinito,

Sem ver.

Abro os ouvidos

E nada ouço.

Rasgo a pele nos caminhos

E nem sinto o sangue a escorrer.

 

Passava pela vida distraído.

 

Um dia, cansado, atirei-me ao chão.

Para ali fiquei ainda mais esquecido

Do que andara até aí.

 

Por entre os olhos piscos

Já quase fechados de tanto não ver

Uma voz chegada de não sei onde,

Envolveu-me num véu tão leve e suave

Que me senti transportado

Para longes nunca sonhados.

Zé Onofre

25
Mar22

Fora de sítio

Zé Onofre

 

 

Publicado na data abaixo em Dias de Hoje

                   34

 

022/03/13

 

QUEM É QUEM NA INDÚSTRIA DA MORTE

I - Guerras após a 2ª Guerra

 

1946/54 – 1ª Guerra da Indochina

 

Luta pela Independência da Indochina

[França. EUA. UK. Camboja.  X  Viet Minh. Pathet Lao. (China apoia o Viet Minh)]

 

1950/53 – Guerra da Coreia

 

EUAN não aceita a proclamação da República Popular da Coreia por parte das Comissões Populares formadas no Final da 2ª Guerra. Querem impor um governo composto por militares Japoneses que tinham invadido a Península e pelos seus colaboradores Coreanos.

[Coreia do Sul. EUAN. UK. Austrália. Bélgica. Canadá. Filipinas. Colômbia. Etiópia. Grécia. Luxemburgo. Holanda. Nova Zelândia. Tailândia. Turquia. Guatemala. X Coreia Norte. Apoiada pela URSS. China.]

 

1953/75 – Guerra Civil no Laos

 

EUAN financiam o orçamento do Laos. Em 1957 pagavam os ordenados do exército 1959 os EUAN enviam militares como civis para treinarem o exército do Laos.

EUAN financiam o orçamento do Laos. Em 1957 pagavam os ordenados do exército 1959 os EUAN enviam militares como civis para treinarem o exército do Laos. 

[Reino do Laos. EUAN. Vietname do Sul. Tailândia. Taiwan - X - Pathet Lao. Vietname do Norte. URSS. China]

 

1958 – Guerra do Líbano

 

Guerra pelo controlo do Governo

[Governo do Líbano. EUAN – X – Oposição Libanesa. PCL. PSP]

 

1959/75 – Guerra do Vietname

 

Luta pela Independência do Vietname do Sul e Unificação do Vietname

[Vietname do Sul. EUAN. Coreia do Sul. Austrália. Nova Zelândia. Tailândia. República Kmer. Reino do Laos. – X - URSS. Bulgária. RDA. Hungria. Polónia. Vietname do Norte]

 

1965/73 – Guerra do Vietname

 

 Continuação da luta de Libertação e Unificação do Vietname

 [Vietname do Sul. EUAN. Coreia do Sul. Austrália. Nova Zelândia. – X – Vietname do Norte. Viet Cong. Kmer Vermelho. Pathet Lao]

           

1967/75 – Guerra Civil do Camboja

 

Luta pelo governo do Camboja

[Reino Camboja. EUAN. EUAN. Vietname do Sul – X - Kmer verrmelho. Kmer Viet minh. Vietname do Norte. Viet Cong]

 

1975/007 - Conflito Hmong

 

A etnia Hmong leal ao reino do Laos, apoia primeiro a França e de seguida os EUAN, na guerra civil do Laos e contra o Vietname do Norte, do Viet Kong e do Pathet Lao. Em 1975 com a vitória do Vietname a guerrilha Hmong continuou a sua luta contra o governo do Laos até que foram vencidos, apesar do apoio dos EUA até 1990. A partir daí refugiaram-se nas selvas do Laos o de têm sobrevivido com enormes carências alimentares, saúde… Os governos do Laos mantêm-nos isolados do mundo.

[Hmong. EUAN – X - Vietname. Laos]

 

1977/78 - Guerra de Ogaden

 

Ogaden é um território etíope de maioria somali. A Somália pretendia unir todos os somalis formando a grande Somália. A União Soviética que apoiava a Somália passou a apoiar a Etiópia. Por sua vez os EUAN fizeram o processo inverso.

[Etiópia. URSS. Cuba – X - Somália. EUAN]

 

1977/91 – Guerra Vietname – Camboja

 

O Governo do Camboja alinha-se cada vez mais com a RP da China e reivindica uma parte do Vietname. Os vietnamitas residentes no Camboja são “convidados a sair”. Mais de 150.000 saem. Os que ficam são sujeitos a maus tratos e perseguidos. Entretanto há escaramuças em todas as fronteiras

. Nesta situação o Vietname invade o Camboja, depõe o presidente Pol Pot e Pacificam o Camboja que vivia um clima de guerra civil.

[Kmer Vermelho. EUAN. CGDK. Tailândia – X – Vietname. Funsk]

 

1979/89 – Afeganistão

 

A URSS enviou soldados para apoiarem o Governo Afegão. Os EUAN treinam e armam milícias islamitas mujahidin para combater os soldados da URSS e do Governo.

[Afeganistão. URSS – X – Mujahidin. (Armados e treinados pelos EUAN)]

 

1982/84 – Líbano

 

Expulsar a OLP do Líbano

[Força Internacional: EUAN. Itália.UK. França – X – OLP]

 

1990/91 – Guerra do Golf

 

O Iraque com o argumento de que o Kuait era uma província sua de que foi desapossado no fim da guerra – Zona tampão entre o Iraque e a Arábia Saudita – Ocupou-o.

Os EUAN fazem pressão sobre os membros do Conselho de Segurança da ONU para que aprovem uma resolução que condene o Iraque – resolução 678 – que autorizava os membros da ONU a usar “todos os meios necessários para expulsar o Iraque do Kuwait.

[Kuwait. EUAN. UK. Arábia Saudita. França. Canadá. Bahrain. Emiratos Árabes Unidos. Omã. Bangladesh – X – Iraque]

 

 1991/94 - Guerra na Abecásia

 

  Guerra separatista da Abecásia, território da Geórgia.

[Abecásia – Forças independentistas – X – Geórgia]

2008 – Guerra Ossétia do Sul, separação da Ossétia da Geórgia

 

Durante a revolução bolchevique a Geórgia apoiou os mencheviques e os ossetas aderiram à revolução. A Geórgia foi vencida e transformou-se na República Socialista da Geórgia englobando a Ossétia do Sul. Com a queda da União Soviética a Geórgia torna-se independente e logo Ossétia do Sul quer continuar na União. A partir daqui inicia-se uma guerra civil étnica entre Ossetas e Georgianos. A Rússia interveio para separar as partes em conflito.

[Independentistas da Ossétia do Sul, com o apoio da Ossétia do Norte-Atânia – X – Geórgia]

 

1992 – Transnístria

 

Luta por uma identidade. Em 1924 a Transnístria tornou-se uma entidade política autónoma com a proclamação da RSSA da Moldávia que em 1940 se tornou na RSSM incorporando parte da Bessarábia que pertencia à Roménia. A Alemanha NAZI venceu a URSS nesta região. A Roménia pró-Nazi incorporou estes territórios.

Em 1990 a Moldávia tornou-se uma república independente da URSS.

A Transnístria queria um estatuto de igualdade com a restante Moldávia. O presidente moldavo – Vladimir Varonin – apoiou esta posição da Transnístria, mas pressionado pela oposição interna, OSCE e EUAN, não assinou o acordo que também previa uma presença militar russa por vinte anos, como segurança para a Rússia.
Com a ocupação da Crimeia pela Rússia a Transnístria pediu a sua adesão à Federação Russa.

[Estado da Transnístria – X – Moldávia]

 

1992 – Ossétia do Norte

 

Um distrito da Ossétia do Norte é maioritariamente de etnia Inguche. Estes pretendem que esse distrito passe para a república Inguche-Chechena.
[Ossétia do Norte-Atânia – X - Separatistas Inguches

 

 1991 - Guerra Civil da Somália

 

Guerra entre duas fações que lutam pelo poder
[Mandato da ONU: EUAN. UK. Espanha. Arábia Saudita. Malásia. Paquistão. Itália. Grécia. Alemanha. França. Canadá. Botswana. Bélgica. Austrália. – X – fações em luta]

 

1992/97 – Guerra civil do Tadjiquistão


Manter a integridade Física do Tajiquistão

[Tajiquistão. Rússia. Uzbequistão – X - Oposição unida Tajique. Afeganistão. Talibã]

 1993 - Guerra Civil da Geórgia

Guerra Civil na Geórgia entre os nacionalistas Georgianos – Xivaístas – e o governo em exercício.

[Geórgia. Rússia. – X – Xivaístas]

 

 1994/95 - Guerra da Bósnia

 

Litígio étnico resultante do desmembramento da Jugoslávia

[EUAN. Bélgica. Canadá. Dinamarca. UK. França. Alemanha. Itália. Luxemburgo. Holanda. Noruega. Portugal. Espanha. – X - Jugoslávia. Exército Popular da Jugoslávia. República SRPSKA. Província Autónoma da Bósnia Ocidental.]

 

1994/96 - 1ª Guerra da Chechénia

 

Guerra independentista da Chechénia em relação à Rússia.

[Rússia. – X – Ichkeria. Mujahidin]

 

 1998/99 – Guerra independentista do Kosovo da Jugoslávia (Sérvia e Mongtenegro

[Espanha. Turquia. UK. Austrália. Nova Zelândia. – X – Jugoslávia]   

 

1999 -Guerra do Daguestão

 

O Daguestão sofre com uma guerrilha fundamentalista Islâmica.

[Rússia – X – Brigada Internacional Islâmica]

 

1999/009 – 2ª guerra da Chechénia

A Rússia não reconhece a independência da Chechénia.

[Rússia – X – Ichkeria. Frente Caucasiana. Mujahidin]

    2001/021 – Guerra do Afeganistão

 

Substituir o governo que resultou da queda daquele que era apoiado pela URSS, quando os soldados soviéticos se retiraram.

[Afeganistão. EUAN. Força Internacional de Assistência para a Segurança.UK. Alemanha. Dinamarca. Itália. França. Canadá. Austrália. Nova Zelândia. El Salvador. Arménia. Geórgia. Noruega Suécia. Polónia. Estónia. Roménia. Turquia. Bulgária. Hungria. Luxemburgo. Portugal. Áustria. Jordânia. Albânia. Islândia. Aliança do Norte. - X - Talibã. Al-Qaeda (Criada por Bin Laden treinado pelos EUAN para lutar contra o governo Afegão apoiado por militares da URSS.) Mujahidin (treinados e armados pelos EUAN para lutarem contra o Governo Afegão apoiados por militares da URSS)]

 

2003/011 - Guerra do Iraque

 

Foi um conflito que começou com a invasão do Iraque, por uma coalizão militar multinacional liderada pelos Estados Unidos.  O conflito aconteceu no contexto da Guerra ao Terror, lançada pelo presidente americano George W. Bush após os atentados de 11 de setembro de 2001. Para Justificar esta agressão ao Iraque acusa o governo de Saddam Hussein possuía armas de destruição massiva. Como os inspetores internacionais nada encontraram a ONU, e muitos parceiros europeus dos EUAN não apoiaram a decisão tomada pelos EUAN, Reino Unido e Espanha, numa cimeira realizada nos Açores com a presença do 1º ministro português.

[EUAN. UK. Iraque. Coreia do Sul. Itália. Polónia. Austrália. Geórgia. Ucrânia. Estónia. Holanda. Espanha. Dinamarca. – X – Iraque]

 

2004/021 – Guerra do Noroeste do Paquistão

 

Guerra no Waziristão, também conhecida como Guerra no Noroeste do Paquistão, começou porque os Talibãs, e extremistas estrangeiros se juntaram a militantes islâmicos das tribos locais, em regiões do Paquistão próximas à fronteira com Afeganistão.  

As ações paquistanesas foram apresentadas como uma parte da guerra contra o terrorismo declarada pela administração de George W. Bush, e que tinha ligações com a guerra e a insurgência talibã no Afeganistão.

 

[EUAN. Paquistão – X – Tehrik Talibã Pakistan. Loshkar-e-jhangvi.  Al Qaeda.Loshkae-e-Islam. Movimento Islâmico do Uzbequistão. Estado Islâmico do Iraque.]

 

 2008 – Guerra Russo-Georgiana 

 

Pouco mais da metade da Ossétia do Sul estava sob o controle de um governo, não reconhecido, apoiado pela Rússia.

O distrito de Akhalgori, Ossétia do Sul, era maioritariamente georgianos. Havia uma força de paz conjunta da Geórgia, da Ossétia do Norte e da Rússia presente nos territórios.

Separatistas ossetas bombardeiam aldeias georgianas que levam a uma resposta das forças de paz da Geórgia e de outros combatentes já existentes na região.

A Geórgia lançou uma ofensiva militar em uma tentativa de recuperar o território. Defendeu que respondia aos ataques contra suas forças de paz e aldeias da Ossétia do Sul e que a Rússia movimentava unidades não pertencentes à manutenção da paz.

A Rússia reagiu e lançou ataques aéreos contra as forças georgianas dizendo que estas ações foram necessárias para manter a paz.

[Rússia. Ossétia do sul – X – Geórgia]

 

2009 – Insurgência no Cáucaso Norte 

 

Continuação da violência política, étnica e religiosa na região, apesar do fim oficial das operações militares na Chechênia.   
A violência parece estar concentrada principalmente nas repúblicas do Norte do Cáucaso, Chechénia, Daguestão, Inguchétia e Cabárdia-Balcária.

 

[Rússia – X - Emiratos do Cáucaso. Mujahidin]

2010/ … Rebelião jihadista no Iémen

 

Parte da Guerra ao Terror. o Iémen também enfrenta uma rebelião de grupos separatistas no sul. A al Qaeda e os islamitas tomaram o controle de boa parte da província de Abyan e a declararam um emirado islâmico.

Os combatentes houthis expulsaram o presidente interino Hadi,

O poder divide-se entre  o governo Hadi e o Conselho Político Supremo dos houthis.

 

[Iémen. EUAN. – X - Al-Qaeda da Península Arábica. Al-Shabaab. Ansar al-Sharia. Estado Islâmico do Iraque e do Levante.]


2011/ … - Guerra da Líbia

 

De repente e coincidentemente três países árabes do norte de África são varridos por protestos contra os seus governos – Egito, Líbia, Tunísia. Uma estranha coincidência.

Na Líbia começou com uma onda de protestos populares contra o governo de Muammar al- Gaddafi.  

Tal como na revolução na Tunísia e na revolução no Egito, os manifestantes exigiam mais liberdade e democracia, mais respeito pelos direitos humanos com reivindicações sociais e políticas.

 

[Qatar. EUAN. Bulgária. Bélgica. Canadá. Dinamarca. França. Grécia. Itália. Holanda. Noruega. Roménia. Espanha. Turquia. Suécia. Emiratos Árabes Unidos – X – Governo da Líbia.]

 

 2014 – Guerra contra o Estado Islâmico

 

Como o grupo surgiu?O Estado Islâmico tem origem na Al-Qaeda do Iraque (AQI). O grupo ficou enfraquecido e sem recursos depois que os Estados Unidos derrubaram o ditador Saddam Hussein e declararam seu partido ilegal em 2003, marginalizando os sunitas como um todo.
Em 2011, a AQI recebeu apoio financeiro para entrar na guerra civil síria ao lado dos rebeldes – apoiados pelo Ocidente.

No mesmo ano, os EUA retiraram suas tropas do Iraque, abrindo espaço para a criação grupo, que adotou o nome Estado Islâmico do Iraque e Levante em 2013.

 

[EUAN. França. Jordânia. Marrocos. UK. Iraque. Oposição Síria. Egito. Líbia. Austrália. Bélgica. Canadá. Dinamarca. Alemanha. Itália. Holanda. Espanha. Turquia. Portugal. Noruega. Bahrain. Arábia Saudita. Emiratos Árabes Unidos. Qatar. – X – Estado Islâmico do Iraque e do Levante. Frente al-Nusla]

 

2014 - Crise da Crimeia

 

A Crimeia de 1921 até 1945 foi a República Socialista Soviética Autónoma da Crimeia.

Em 1954,  Nikita Khrushchev transferiu a Crimeia para a República Socialista Soviética Ucraniana

No final de 2013, há manifestações contra o governo do presidente Viktor Yanukovych recusa.se a assinar um acordo de associação com a União Europeia.

O parlamento ucraniano realiza um julgamento político que destitui o presidente Yanukovych sob acusação de "abandonar o cargo" após este viajar de Kiev para Kharkiv.

[Rússia – X – Ucrânia]

2014 – Guerra da Ucrânia

 

No final de 2013, há manifestações contra o governo do presidente Viktor Yanukovych que se recusa a assinar um acordo de associação com a União Europeia. A parte Oriental da Ucrânia, de maioria Russa, sente-se descriminada pelo Governo Ucraniano saído da destituição de Viktor Yanukovych e depois de várias lutas com o novo Governo, declara a independência. O governo da Rússia dá apoio a esta tomada daqueles russos.

A OTAN aceita o pedido ucraniano para a sua adesão à Aliança militar.
 Segundo o presidente russo James Baker ter-se-ia comprometido verbalmente a não expandir a influência da OTAN pelo Leste Europeu, com o então líder soviético Mikhail Gorbachev, em troca, a URSS teria que aceitar a unificação da Alemanha e que a antiga RDA faria parte da OTAN.

Em 2014, Gorbachev em uma entrevista, disse que "O tema da 'expansão da OTAN' não foi discutido e não foi abordado naqueles anos". negou em uma entrevista que houve um comprometimento formal dos EUA para evitar o avanço da OTAN.

Disse ele ao jornal Rússia Beyond. "Uma questão que levantamos e que foi discutida foi garantir que as estruturas militares da OTAN não avançassem e que forças armadas adicionais não fossem implantadas no território da então República Democrática Alemã após a reunificação. A declaração de Baker foi feita nesse contexto."

No entanto, Gorbachev disse acreditar que, apesar de a expansão da OTAN não trair promessas concretas, ela desrespeita o espírito do que estava sendo acordado naquele momento.

"Foi um grande erro desde o início. Foi definitivamente uma violação do espírito das declarações e garantias feitas a nós em 1990".

As críticas em relação ao avanço da OTAN não são uma exclusividade de vozes russas.

George Kennan, um dos diplomatas americanos mais influentes no período de oposição à URSS, classificou a expansão da OTAN na Europa Central como "o erro mais fatídico da política americana em toda a era pós-Guerra Fria".

[Rússia. Nova Rússia (repúblicas proclamadas pelos russos residentes no leste da Ucrânia. – X – Ucrânia]

 

II – INTERVENÇÕES ESTRANGEIRAS NOUTROS ESTADOS

 

1945/50

 

Estado Intervencionado – Coreia

Estado Interventor – EUAN

 

Comissões Populares no pós-guerra, proclamam a República Popular da Coreia em toda a Península. Os militares dos EUAN não aceitam a nova República e ocupam o território a sul do Paralelo 38 N. Querem impor um governo formado por militares e civis japoneses – da ocupação – e seus colaboradores coreanos. Este facto deu origem à Guerra da Coreia.

 

1946/49

Estado Intervencionado – China

Estado Interventor – EUAN

Dão apoio militar e logística e outras ao Partido Nacionalista Chinês – Chiang Kai-Shek - que se opunha ao Partido Comunista da China. Vencido na China Continental refugiou-se na ilha Formosa /Taiwan.

 

 1946/49

 

Estado Intervencionado – Grécia

Estado Interventor – EUAN. Reino Unido

 

Churchill e José Stalin acordam que a Grécia fique sob influência Ocidental.

O Exército de Libertação da Grécia que havia libertado quase todo o país dos Alemães Nazis, continua a guerra contra o exército do Reino. Este apela aos EUAN que deram apoio militar.

 

1947

 

Estado Intervencionado – Itália

Estado Interventor – EUAN
 

No governo formado após a guerra o Partido Democrata Cristão está a perder terreno para o Partido Comunista Italiano. O primeiro Ministro Gaspari -Democrata Cristão demite os ministros comunistas– por pressão dos EUAN com a ameaça que apenas assim darão o apoio do Plano Marshall.

A CIA doa 1 milhão de dólares para os partidos centristas.

A CIA forja cartas para desacreditar os dirigentes comunistas.

A CIA no total gastou 65 milhões de dólares para evitar a eleição dos Comunistas nas eleições de 1948.

                                                          

1950/68

 

Estado Intervencionado – Líbano. Japão. Filipinas

Estado Interventor – EUAN

 

Interferência nas Eleições destes Países para eleger governos favoráveis aos seus interesses.

No Líbano apoiou Partidos Cristãos.

 

 1951

 

Estado Intervencionado – Egito

Estado Interventor – EUAN

 

Kermet Roosevel Jr. Tenta convencer o rei Farouk I a juntar-se aos EUAN. Se fizesse uma política antissoviética e eles modernizariam o Egito. O rei não aceitou. Então conspiraram com militares egípcios que derrubaram a monarquia, implantaram a república assumindo a presidência Gamel Abdel Nasser.

 

1953

 

Estado Intervencionado – Irão

Estado Interventor – EUAN Reino Unido.

 

Mohamed Mosaddeg, eleito democraticamente, pretendia nacionalizar o petróleo. O Reino Unido e os EUAN orquestraram um golpe de estado que derrubou o governo. O Irão que era uma monarquia constitucional transforma-se num Reino autoritário sob Reza Pahlavi, que de rei constitucional se transformou em rei autoritário.
Virá a dar origem à Revolução Islâmica de Khomeini.


1954

 

Estado Intervencionado – Guatemala

Estado Interventor – EUAN.

O presidente Jacobo Ártenz – democraticamente eleito tem uma política que não serve os interesses dos EUAN. Estes executam um golpe que derruba Jacobo, e instala como presidente Carlos Castilho Arma que iniciou um longo período de ditadura.

 

1956

 

Estado Intervencionado – Hungria

Estado Interventor – URSS.

 

Na Hungria, país membro do recém-formado Pacto de Varsóvia, há uma revolta para mudança de Governo e de Regime.

A URSS Intervém com a ajuda da AVH – autoridade de proteção do estado.

 

1956


Estado Intervencionado – Síria

Estado Interventor – EUAN (CIA).

 

CIA prepara golpe de Estado. Foi adiado porque, entretanto, Israel invadiu o Egito

 

1957

 

Estado Intervencionado – Síria

Estado Interventor – EUAN (CIA).

 

CIA assassina altos oficiais Sírios, encenando incidentes militares na fronteira responsabilizando a Síria e invocar esse motivo para a invadir por tropas Iraquianos e Jordanos.

Oficiais militares Sírios, pagos com milhões da CIA para levar a efeito o golpe, revelam o complot.

 

1957/59/61/65/67

 

Estado Intervencionado – Indonésia

Estado Interventor – EUAN
 

Sukarno, presidente da Indonésia funda com outros governos o Movimento dos não-Alinhados, preferem manterem-se neutros em relação ao bloco Soviético e Ocidental.

Oficiais da CIA pilotando aviões de fachada – Civil Air Transport – bombardeiam alvos civis e militares.

Alvejam os navios mercantes para não se aproximarem da Indonésia.

Oficiais subalternos do exército e o comandante do Palácio do Presidente Sukarno acusam altas patentes do exército de prepararem um golpe de estado apoiado pela Cia. Devido a esta denúncia são mortos seis generais. EUAN Conspiram com outros generais para derrubar SuKarno. – Que foi cofundador do Movimento dos não-Alinhados desafeto (considerado perigoso pelos EUAN).

Mohammad Suarto acusa o PKI e os oficiais subalternos de orquestrar a morte dos generais.

O embaixador Marshall Green, dos EUAN, encoraja a repressão. Em 1967 Sukarno é obrigado a abandonar o poder para o general Suarto. 

 

1958

 

Estado Intervencionado – Líbano

Estado Interventor – EUAN. Egito

 

Doutrina EIsehnower – Os EUAN devem intervir nos países em que o Comunismo Internacional possa vencer. – Por isso intervêm para reforçar o “governo amigo” de Camille Chamoun contra a oposição interna apoiada pela Síria e Egito

 

1959

 

Estado Intervencionado –   Iraque
Estado Interventor – EUAN.

 

Tentativa de assassinato do primeiro ministro Iraquiano Abd al-Kasim, envolvendo o jovem Saddam Hussein.

 

1960

 

Estado Intervencionado –   LAOS
Estado Interventor – EUAN. Tailândia

O capitão paraquedista Kong Lee, à frente do seu batalhão, toma Vientiane com o objetivo de terminar  a guerra civil e com a interferência estrangeira no país.

Com o apoio da CIA Sarit Thanarat, 1º ministro da Tailândia, promove um golpe contra o governo neutralista de Kong Lee.

Em 1960/NOV Vientiane é tomada pelos golpistas.

 

1961

 

Estado Intervencionado – República Popular do Congo
Estado Interventor – EUAN.

 

Em janeiro o primeiro ministro Patrice Lumumba – eleito democraticamente – foi assassinado por Mobutu Sese Seko na sequência de um golpe de Estado preparado pela CIA sob o governo de Eisenhower.

 

1961

Estado Intervencionado – Cuba (Invasão de Cuba pela “Baía dos Porcos”)

Estado Interventor – EUAN. (através dos cubanos emigrados na Florida treinados pela CIA e por ela armados)
 

Tentativa de derrubar o governo revolucionário cubano devido à reforma agrária que mexia com interesses Estado-unidenses.

Após este falhanço os EUAN tomam medidas contra Cuba.

- Embargo Económico que dura até hoje.

- Infiltração de agentes da CIA para sabotarem alvos civis – pontes ferroviárias. Armazéns de melaço. Centrais elétricas. Colheitas de açúcar.

- Várias tentativas para derrubar o governo cubano assassinando Fidel Castro, em colaboração com a Máfia Americana.

 

1961/64

 

Estado Intervencionado – Brasil

Estado Interventor – EUAN


Jânio Quadros renúncia à Presidência em 1961/ago. Foi legalmente substituído por João Goulart que tem uma política de

- Direitos democráticos.

- Legalização do PC do Brasil.

- Reforma agrária.

Perante isto o governo dos EUAN desestabiliza o governo do Brasil com

- Corte de ajuda.

- Apoio aos governadores de Estados oponentes ao Governo Federal.

O general Castelo Branco chefia um golpe militar que depõe João Goulart em 1964/abr

- EUAN retoma a ajuda e investimentos no Brasil.

 

1963

 

Estado Intervencionado – Iraque

Estado Interventor – EUAN

 

Golpe de Estado levado a cabo pelo partido Baath (Saddam Hussein). Embora não haja certeza da participação dos EUAN, o certo é que apoiaram o novo governo.

Este governo fez um expurgo comunista, repressão sobre os Curdos e civis iraquianos que se lhe opunham

A embaixada dos EUAN fez listas de comunistas que fornecia aos membros da Guarda Nacional Iraquiana, treinada nos EUAN.

 

1963

Estado Intervencionado – Vietname do Sul
Estado Interventor – EUAN

 

EUAN, aliado do Vietname do Sul, descontentes com o presidente Ngo Dinh Diem prepararam o seu derrube sob o comando do embaixador – Henry Cabol Lodge Jr. Diem foi assassinado juntamente com o seu irmão Ngo Dinh Nhu.

 

1965/66

 

Estado Intervencionado – República Dominicana
Estado Interventor – EUAN

 

O presidente Juan Bosch é derrubado por um golpe de Estado liderado por Donald Reide Cabral.

Inicia-se uma guerrilha constitucionalista para repor Juan Bosch na presidência.
Com a operação Power Pax os EUAN introduzem soldados para “servirem de tampão” entre o governo golpista e a resistência constitucionalista. Lyndon B. Johnson a conselho do seu embaixador bloqueia a ilha com 41 embarcações, desembarca na ilha 42000 soldados que ocupam S. Domingos.

1967

 

Estado Intervencionado – Grécia

Estado Interventor – EUAN

 

Algumas semanas antes das eleições presidenciais de abril de 1967 militares de direita chefiados pelo brigadeiro-general Skylianos Pattakase os coronéis George Papadopoulos e Niklaos Makarezos tomam o poder.

Pequenas unidades móveis prendem políticos importantes, figuras da autoridade, e cidadãos suspeitos de simpatias de esquerda que faziam parte das listas fornecidas pela CIA.

Gustav Avracotos, oficial de alto escalão da CIA era próximo dos coronéis.

- O senador Lee Metcalf criticou Jonhson por apoiar um Governo NAZI.

- O embaixador Philips Talbot desaprovou o golpe.

 

1968

Estado Intervencionado – Checoslováquia

Estado Interventor – URSS. Bulgária. RDA. Hungria. Polónia

 

O governo checoslovaco, membro do Pacto de Varsóvia, tenta um aligeiramento do Regime. Os outros membros do Pacto, comandados pela URSS, invadem a Checoslováquia para o evitar.

 

1971

Estado Intervencionado – Bolívia

Estado Interventor – EUAN

 

Governo dos EUAN apoia o golpe de 1971que depôs o presidente Juan José Torres, substituído por Hugo Banzer. Torres desagradou os EUAN devido a uma convocatória de uma Assembleia Popular formada por mineiros, professores, estudantes, camponeses – uma viragem à esquerda na ótica dos EUAN.

Com o triunfo do golpe os EUAN deram uma grande ajuda militar. A ditadura reprimiu a liberdade de expressão, dissensão, torturou milhares de pessoas, fez desaparecer e assassinou umas centenas, fechou sindicatos e universidades.

Torres fugiu da Bolívia e foi sequestrado e assassinado em 1976 na operação Condor – grupo de repressão política e terrorista dos estados alinhados com os EUAN e por estes apoiados.

 

1973

 

Estado Intervencionado – Chile

Estado Interventor – EUAN

 

Golpe de Estado – 11/set/1973 – começou por desencontros entre o Congresso, maioria de direito, e o presidente apoiado pela esquerda.

Os EUAN movem uma guerra económica contra o Chile.

René Schneider – chefe de gabinete de Salvador Allende – é assassinado durante uma tentativa de sequestro apoiado pela CIA.

Do golpe emergiu Pinochet, cujo governo fez desaparecer 3200 opositores, encarcerou 30000 e exilou 200.000.

A CIA através do projeto FUBELT orquestrou o golpe secretamente com Pinochet e outros generais.

 

1979/80

 

Estado Intervencionado – Afeganistão

Estado Interventor – EUAN

Operação Ciclone -EUAN fornece secretamente armas e financiamentos a diversos senhores da Guerra e fações de Mujahidin para derrubar o Governo Afegão que tinha o apoio de militares Soviéticos. Entre os maiores beneficiários estava Bin Laden, fundador da Al Qaeda.

 

1980/89

 

Estado Intervencionado – Polónia

Estado Interventor – EUAN

Reagan apoia o movimento Solidariedade.

O coronel polaco Ryszard Kuklinki envia relatórios secretos para a CIA.

Durante cinco anos a CIA financiou o Solidariedade com dez milhões de dólares (dois milhões por ano).

Congresso dos Estados Unidos autoriza o “National Endowmentfor Democracy” e este alocou 10 milhões de dólares para o Solidariedade.

 

1980/92

 

Estado Intervencionado – El Salvador

Estado Interventor – EUAN

 

O Governo do Salvador reprime violentamente a Frente Farabundo Marti de Salvação Nacional que apoiava cooperativas agrícolas, dirigentes trabalhistas, e defensores da reforma agrária.

O exército organizou esquadrões da morte – formados por militares – para aterrorizarem os trabalhadores rurais.

O governo dos EUAN forneceu treinamento militar e armas ao exército salvadorenho.

O batalhão Atacati – contra insurgente, organizado em 1980 na Escola das Américas, sediada nos EUAN – foi organizado e dirigido por conselheiros militares dos EUAN – e esteve envolvido no massacre de El Mozote.

Oficiais dos EUAN assumiram posições nos altos escalões das Forças Armadas Salvadorenhas.

1982/89

 

Estado Intervencionado – Nicarágua

Estado Interventor – EUAN

 

EUAN armam e treinam os chamados “contras” para acabarem com o governo resultante do derrube de Somoza.

A CIA e ensinou os contras a

- Explodir prédios públicos.

- A assassinar juízes.

- A criar mártires.

- A chantagear cidadãos comuns.

- Explodir Pontes.

- Minar o porto de Corinto.

 Reagan, para conseguir dinheiro negado pelo Congresso, vende secretamente armas ao Irão para financiar ilegalmente os Contra, mesmo após o governo Sandinista ter ganho as eleições em 1986.

 

1983

 

Estado Intervencionado – Granada

Estado Interventor – EUAN

 

O governo dos EUAN, Reagan, põe em marcha a operação “Fúria urgente” para derrubar o “governo marxista”, considerado condenável pelo governo dos EUAN.

A Assembleia Geral da ONU chamou a invasão de “Violação Flagrante da Lei Internacional”.

Resolução semelhante do Conselho de Segurança foi vetada pelos EUAN

 

1984/000

 

Estado Intervencionado – Iraque

Estado Interventor – EUAN

CIA organiza a operação Brachus para derrubar o governo Iraquiano.

Para isso usa Ayad Allawi – oposição ao governo no exterior.

O governo iraquiano infiltrou homens seus neste movimento.

Mesmo assim a CIA com os seus aliados bombardeia alvos em Bagdad, entre os quais uma sala de cinema lotada, nos quais morreram muitos civis.

 

1989

 

Estado Intervencionado – Panamá

Estado Interventor – EUAN

 

Com a operação Justa Causa os EUAN invadiram o Panamá.

Depuseram Manuel Noriega – ex-agente da Cia, ex-negociador de armas no mercado negro para os Contras da Nicarágua e para grupos anticomunistas da América Latina. Por um golpe, após a morte de Torrijos, Noriega assumiu a presidência do Panamá com a complacência dos EUAN. Porque começou a tornar-se incómodo. Prenderam-no e levaram-no para os Estados Unidos onde o julgaram por crimes cometidos a favor do Governo que agora o julgava.

 

1997

Estado Intervencionado – Indonésia

Estado Interventor – EUAN

 

O governo dos EUAN, Bill Clinton, aproveitando a crise financeira asiática de 1997 exacerbam a crise financeira da Indonésia e faz pressão para que FMI se oponha aos esforços de Suharto para estabelecer uma comissão monetária.

 

1998/000

 

Estado Intervencionado – Jugoslávia

Estado Interventor – EUAN

 

Os EUAN canalizam mais de cem milhões de dólares através de Quangos para provocar mudança de regime na Jugoslávia.

Para as eleições jugoslavas de 2000 EUAN apoia grupos da oposição – OTPOR – e conseguem que Milosovic perca as eleições. Este não aceita os resultados. Inicia-se a revolução Bulldozer que derruba e prende Milosevi e de seguida entregam-no ao TPI de Haia.

Kosturica denunciou a extradição de Milosevic dikzendo quje não passou de mais um instrumento da política externa dos EUAN. Opõe-se ao envolvimento da OTAN no Kosovo, atitude hostil aos EUAN.

 

 

III – ALIANÇAS MILITARES

 

1947 – Tratado Interamericano de Assistência Recíproca. – Doutrina dos EUAN de defesa hemisférica

EUAN. Argentina. Bahamas. Brasil. Chile. Colômbia. Costa Rica. El Salvador. Guatemala. Haiti. Honduras. Panamá. Paraguai. Peru. República Dominicana. Trinidad e Tobago Venezuela. Bolívia. Cuba. Equador. México. Nicarágua

 

Saídas - Bolívia. Cuba. Equador. México. Nicarágua.

 

1948/011 - União da Europa Ocidental

 

França. Reino Unido. Bélgica. Países Baixos. Luxemburgo. Itália. Portugal. Espanha. Grécia. Em 1954 – RF Alemanha

 

1949 - OTAN – Organização do Tratado do Atlântico Norte

 

Bélgica. Canadá. Dinamarca. EUAN. França. Islândia. Itália. Luxemburgo. Noruega. Países Baixos. Portugal. Reino Unido

Adesões – R. F. da Alemanha. Espanha. Grécia.                           

Depois de 1997
Estónia. Letónia. Lituânia. Polónia. República Checa. Eslováquia. Hungria. Roménia. Eslovénia. Croácia. Montenegro. Albânia. Macedónia do Norte. Bulgária

 

1951 – Tratado do ANZUS

 

Austrália. EUAN. Nova Zelândia.

 

1953 - Aliança Militar

Coreia do Sul. EUAN

 

1954/77 – OTSA

Austrália. EUAN. França. Nova Zelândia. Paquistão. Tailândia. Filipinas

 

1955/77 – OTC

 

EUAN. Irão. Iraque. Paquistão. Reino Unido. Turquia

 

1951/91 – Pacto de Varsóvia

 

Bulgária. Hungria. Polónia. R.D. Alemã. URSS

 

1958 – CDAAN

 

Canadá. EUAN

1992 - Organização do Tratado de Segurança Coletiva

Arménia. Bielorrússia. Quirguistão. Rússia. Tajiquistão Uzbequistão.
 

---------- Tratado de Defesa Mútua


Filipinas. EUAN

----------- Aliança Militar

 

EUAN. Israel

 

IV - BASES MILITARES EM PAÍSES ESTRANGEIROS

 

ALEMANHA – França. Estados Unidos

ARÁBIA SAUDITA – Bahrein. Djibouti. Eritreia. Iémen.

AUSTRÁLIA – Malásia. Emiratos Árabes Unidos

CANADÁ – Alemanha. Jamaica. Kuwait.

CHINA – Argentina. Djibouti. Mianmar. Tadjiquistão

 

EMIRATOS ÁRABES UNIDOS - Eritreia. Líbia. Somália. Iémen.

EUAN - Reino Unido. Aruba (Holanda). Ascensão (Reino Unido). Austrália. Bahamas. Bélgica. Bósnia-Herzegovina. Brasil. Diego Garcia (Reino Unido). Bulgária. Cuba. Djibouti. Equador. Estónia. Alemanha (148). Japão (119). Jordânia.

Quénia. Kosovo. Kuwait. Holanda. Noruega. Omã. Filipinas. Polónia. Portugal. Qatar. Roménia. Arábia Saudita. Seychelles. Singapura. Coreia do Sul. Espanha. Síria. Tailândia. Tunísia. Turquia. Emiratos Árabes Unidos. Reino Unido. Itália (44) - 742 no total

 

FRANÇA – Djibouti.  Emirados Árabes Unidos. Costa do Marfim. Gabão. Senegal. Alemanha. Líbano. Mali. Chade. Níger. Síria. Iraque. Jordânia. Síria.

GRÉCIA – Chipre

 

 ÍNDIA – Tajiquistão.  Butão. Madagáscar.  Maurício. Seychelles. Omã.

IRÃO – Síria. Iraque. Líbano

ISRAEL – Eritreia. Sírika

ITÁLIA – Emirados Árabes Unidos. Djibouti. Kuwait. Líbia. Estados Unidos. Afeganistão.

JAPÃO – Djibouti.

PAÍSES BAIXOS – Aruba. Curaçau. EUAN

 

PAQUISTÃO – Arábia Saudita

PERU – Afeganistão. Albânia. Azerbaijão. Bósnia e Herzegovina. Iraque. República Democrática do Congo. Kosovo. Catar. Síria.  Líbano. Líbia. Chipre do Norte.  Somália. 

REINO UNIDO - Afeganistão. Bahrain. Belize. Brunei. Canadá.  República de Chipre. Estônia. Alemanha. Iraque. Quênia. Nepal. Noruega. Singapura. Catar. Omã. Emirados Árabes Unidos. EUAN.

Territórios Ultramarinos: (Colónias e, ou ocupados)

Akrotiri e Dhekelia. Ilha de Ascensão. Bermuda. Território Britânico do Oceano Índico. Ilhas Cayman. Ilhas Malvinas. Gibraltar. Montserrat. Ilhas Turks e Caicos.

 

RÚSSIA – Azerbaijão.  Arménia. Bielorrússia.  República Centro-Africana. Eritreia. Cazaquistão. Quirguistão. Madagáscar. Moldávia. Moçambique.  Sudão. Síria. Tajiquistão. Ucrânia. Geórgia.

 

SINGAPURA – Austrália. Brunei. EUAN. Taiwan.

 

TAYWAN – EUAN

 

Estas informações foram recolhidas na Wikipédia

 

25
Mar22

Comentárfio 228

Zé Onofre

                   228  

022/02/08, sobre a publicação rimar pobre, Maria Soares  

 

Passo a vida distraído.

 

Passo a vida a olhar o infinito,

A ver impossíveis no horizonte,

À procura de sonhos onde não podem medrar,

A tentar o possível em terrenos improváveis.

 

Passo a vida distraído.

 

Pouso os olhos no chão.

Fecho os ouvidos aos silêncios

Que gritam do mundo em volta.

Calco as pedras do caminho perdido.

 

 Passo a vida distraído.

 

Vou para longe dentro de mim.

Passo sem andar.

Lanço os olhos ao infinito,

Sem ver.

Abro os ouvidos

E nada ouço.

Rasgo a pele nos caminhos

E nem sinto o sangue a escorrer.

 

Passava pela vida distraído.

 

Um dia cansado atirei-me ao chão.

Para ali fiquei ainda mais esquecido

Do que andara até aí.

 

De olhos piscos

Já quase fechados de tanto não ver

Uma imagem mos abriu,

E todos os sentidos com eles.

 

Estava ali o infinito,

Os horizontes impossíveis,

Os sonhos por medrar,

Os gritos dos silêncios,

A pele rasgada pelos caminhos,

O sangue nas pedras agrestes.

 

Sentado no chão,

Ou talvez suspenso das nuvens,

Uma miragem,  

Ou um ser real,

Escreve com lápis,

Ou será com as palavras que sussurra,

Numa folha longa de papel,

Ou num pedaço da paisagem

As angústias do ser,

Ou talvez as alegrias do nada,

Que gratuitamente

Distribui por presentes,

Por ausentes,

Por vindouros,

A sua riqueza

“O pensamento

Que não há machado que corte,

Quando é livre como o vento”,

Como livre é aquele ser ali

Despojado de tudo.

  Zé Onofre

22
Mar22

Comentário 227

Zé Onofre

                  227

 

022/02/10, comentário a uma publicação de Maria Soares em 022/02/22

Fantasmas de casas,

Esqueletos graníticos

Vestidos de lençóis de lama,

Que vêm lá do fundo dos anos,

Das profundezas das águas,

Lembrar-nos que nada é para sempre

Que tudo é perecível.

 

É o tempo que nos fala

Do que era lá atrás

Do que foi ontem

E nos dá uma pequena amostra do amanhã.

 

É o progresso a ser assombrado

Por um passado que maltratou a natureza,

Com olhos no imediato

Sem pensar no futuro que já é hoje,

Nem num mais longe

Que é já amanhã.

 

Talvez com paciência,

E com muito mais desejo

Do que crença,

Talvez ainda consigamos reverter os estragos,

Ou, pelo menos, não os agravar.

  Zé Onofre

20
Mar22

Comentário 226

Zé Onofre

                226  

022/02/10, sobre o postal, Presença, de Maria Neves

 

O amigo

Não é alguém

Que usemos como flor na lapela,

Ou como um arranjo no centro da mesa.

 

O amigo

Não é alguém que levemos pelo braço

Para ser exibido num baile de gala,

Ou no meio da multidão.

 

O amigo

Não é alguém que ande colado a nós

Nem é alguém que levemos

Como sombra colada aos pés.

 

O amigo

É alguém que estando presente,

Ou ausente seja lá onde for,

Aparece sempre na hora precisa.

  Zé Onofre

18
Mar22

Comentário 225

Zé Onofre

                 225 

 

022/02/10, sobre um postal de Sandra em 022.02.22

 

 

Que sombras serão aquelas

Que disformes se movem no manto  

Tecido a pérolas líquidas

A que o vulgo

Chama nevoeiro?

 

Aquelas sombras

Que nós vemos disformes
Podemos ser nós, que outros veem

Através do mesmo manto

Tecido a pérolas líquidas

A que o vulgo    

Chama nevoeiro?

 

Somos nós os presos,

Naquele manto

Tecido a pérolas líquidas,

E sonâmbulos caminhamos 

Vendo os nossos próprios vultos.

 

Ignorantes tentamos desvendar

O mistério das nossas sombras

Para lá do manto

Tecido a pérolas líquidas

A que o vulgo

Chama nevoeiro.

 
Zé Onofre

 

 

 

 

18
Mar22

Comentário 224

Zé Onofre

                 224 

022/01/29, sobre a publicação Pequeno floco de neve,de  Maria Soares

 

Devagar se vai ao longe.

Quando o medo vier

Escape-se

Como me ensinaram a escapar da morte,

À qual, segundo dizem, ninguém escapa.

Meta-se numa panela

E quando ele, o medo, vier vai perguntar -

Está alguém,

Deixe-o ir,

E quando ele for longe –

Estava eu –

Siga em frente

Passe bem.

Zé Onofre

16
Mar22

Comentário 223

Zé Onofre

                    223 

 

022/01/29

 

Há casas fantásticas,

Sonhadoras

Que batem as telhas  

E partem à descoberta de céus incógnitos.

 

Leva na sua janela-escotilha

Uma criança de olhos sorridentes

Que bate os braços

Com tanta alegria

Que leva a casa ainda mais além.

 

Uma casa,  

Talvez a casarola voadora,

Pilotada por uma criança  

Maior que outro concretizador de sonhos,

Padre Bartolomeu de Gusmão,

Que vivia voos impossíveis,

Até ao sol-poente,

Numa barcarola voadora.

Zé Onofre

15
Mar22

Comentário 222

Zé Onofre

                  222

 

022/01/29, sobre uma publicação de Eduardo Louro, em quinta emenda, 022/01/28

 

É tão mais bonito sermos solidários com os pobres Ucranianos, ameaçados pelos Russos (ou talvez não).

É tão bom ser solidário com os pobres Bielorrussos amordaçados pelo seu presidente (ou talvez não.
Fica-nos tão bem a indignação pelo que se passa na pantalha das televisões (sejam verdadeiras as notícias, ou talvez não).

Esquecer um ser humano, nosso vizinho estendido no chão - é mais um sem abrigo.  

Esquecido de todos menos da misericordiosa morte.  

Mesmo essa esperou nove horas que houvesse algum humano ser perdido na cidade.
Ninguém apareceu.

Não lhe foi possível, à morte, esperar mais perante o sofrimento de nove horas.

Aconchegou-o nos seus braços.

   Zé Onofre

Pág. 1/2

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2022
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2021
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
Em destaque no SAPO Blogs
pub