Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Comentários

Textos/comentários a publicações de autores de outros blogs.

Textos/comentários a publicações de autores de outros blogs.

Comentários

05
Abr22

Comentário 236

Zé Onofre

                 236 

022/03/21, sobre a publicação, Mostra-me a poesia nas coisas feias,  de Maria em silêncios.

 

A poesia da guerra

Não está na guerra,

Nas vidas ceifadas,

Sejam elas das primaveris flores,

Ou dos inocentes animais das florestas,

Das vidas acabadas antes do tempo.

 

A poesia da guerra

Não está nas pernas cansadas

Que automáticas avançam

Por entre prédios destruídos,

Caminhos carbonizados,

Ainda mais escuros

Pelo vermelho que foi vivo,

Do sangue derramado.

 

A poesia da guerra

Não está nas palavras que tentam explicar,

O inexplicável,

Na procura de culpados,

Quando todos o somos,

Nas palavras trágicas com que a mostram,

Até ao pormenor mais insignificante,

Para se derramarem lágrimas fáceis.

 

A poesia da guerra

Poderá estar no modo terrível,

Como de tempos a tempos,

Cada vez mais frequentes esses tempos,

Somos chamados à realidade crua

Em que vivemos,

Se esse despertar assustado

Fizer florescer no chão,

Que somos nós,

Uma flor de Paz

Que destrua, por uma vez,

Toda a indústria da morte.

 

    Zé Onofre

19
Dez21

Comentário extra numeração

Zé Onofre

Extra numeração

 

021/12/19

 

«Eleitor moderado é o que não tolera misturas ideológicas de democratas com extremistas. » - António Borges Carvalho

 

Há nomes a serem apagados da memória,

Das gentes e dos povos por serem extremistas.

Devem ser totalmente excluídos da história,

Que nem uma só silaba do seu nome persista.

 

Que para sempre se apague o nome Spartakus,

Que, por ser pessoa muito pouco moderada,

Sequer quis discutir com o seu Dominus

E pegou logo na sua afiada espada.

 

Sobre Vercingétorix, e gauleses aguerridos,

Jamais alguma palavra seja dita ou escrita.

Pois este bárbaro infame não deu ouvidos

E contra Júlio César levantou logo a crista.

 

Que desta Ibéria, ponta ocidental do mundo,

Para sempre, de hoje em diante, de imediato,

Seja enterrado num abismo bem profundo,

O nome do pastor-guerreiro infame Viriato.

 

Que dos desertos da Judeia, a humanidade

Esqueça o maldito exagerado idealista, Jesus,

Que, tão radicalmente pregava a igualdade

Que bem feito foi terem-no pregado na cruz.

 

Que jamais se lembrem homens tão diferentes –

Mahatma, Martin Luther King, Lumumba,

Simon Bolívar, George Washington, Pedro I,

Machado dos Santos, Almirante Reis, Michael Collins,

Mondlane , Amílcar Cabral, Agostinho Neto, O MFA,   

Nicolau Lobato, Nelson Mandela, Samuel Nujoma,

Todos eles perigosos políticos nada moderados  

Extremistas que exigiam liberdade, igualdade,

Ou mais perigosos para os democratas moderados,

«Independência» e mais dramaticamente ainda,

Os que de armas na mão «Independência ou Morte.»

  Zé Onofre  

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2022
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2021
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
Em destaque no SAPO Blogs
pub